Maria Valéria Rezende vence a décima edição do Prêmio São Paulo de Literatura

Maria Valéria Rezende vence a décima edição do Prêmio São Paulo de Literatura

Autora santista venceu com o livro Outros cantos. O baiano Franklin Carvalho ganhou com o romance Céus e terra na categoria autor estreante com mais de 40 anos. O campineiro Maurício de Almeida faturou a categoria autor estreante com até 40 anos com A instrução da noite.

 

Nesta segunda-feira, 6 de novembro, foi anunciado o resultado final do Prêmio São Paulo de Literatura 2017. Nesta décima edição, prêmio literário escolheu os melhores romances em língua portuguesa de 2016, em solenidade realizada na Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL). Maria Valéria Rezende ganhou na categoria Melhor Livro de Romance do Ano com Outros cantos (Alfaguara). Franklin Carvalho venceu com Céus e terra (Record) na categoria Autor Estreante com mais de 40 anos. Maurício de Almeida faturou a categoria Autor Estreante com até 40 anos com a obra A instrução da noite (Rocco).

Maria Valéria Rezende nasceu em Santos, no litoral paulista, em 1942, onde morou até os 18 anos. Em 1965 entrou para a Congregação de Nossa Senhora Cônegas de Santo Agostinho. Sempre se dedicou à educação popular, nas regiões de periferia e no meio rural. Desde 1986, mora em João Pessoa. Estreou na ficção em 2001, com o romance Vasto mundo. Dedicou-se também à literatura infantojuvenil, escrevendo diversos títulos. Em 2005, publicou o elogiado romance O voo da guará vermelha e, um ano depois, o livro de contos Modo de apanhar pássaros à mão. Em 2015, ganhou o prêmio Jabuti com o romance Quarenta dias. Seu mais recente lançamento, Outros cantos, foi vencedor da 58ª edição do Prêmio Casa de Las Américas na categoria Literatura Brasileira em 2017.

Franklin Carvalho nasceu em Araci, no interior baiano, em 1968. Formou-se em jornalismo e fez pós-graduação em direito do trabalho. Céus e terra foi vencedor do Prêmio Sesc de Literatura de 2016 na categoria romance e é resultado de suas pesquisas sobre a morte com vistas a um mestrado em antropologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Seus outros dois livros, Câmara e cadeia (2004) e O encourado (2009), apresentam temas como apocalipse e vampiros.

Maurício de Almeida nasceu em Campinas, no interior paulista, em 1982. É formado em antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Venceu o Prêmio Sesc de Literatura em 2007 na categoria contos com o livro Beijando dentes (2008). Participou das coletâneas Como se não houvesse amanhã (2010) e O livro branco (2012). Tem contos publicados em diversas revistas e jornais, além de traduções para o espanhol na Machado de Assis Magazine e para o inglês no Contemporary Brazilian Short Stories. A instrução da noite (Rocco) é seu romance de estreia.

Na edição 2016, venceram Beatriz Bracher, com Anatomia do Paraíso (Melhor Livro de Romance do Ano), Marcelo Maluf, autor de A imensidão íntima dos carneiros (Autor Estreante +40) e Rafael Gallo, com Rebentar (Autor Estreante com até 40 anos). Grandes nomes da literatura nacional já ganharam outras edições como Cristóvão Tezza (O filho eterno), Ronaldo Correia de Brito (Galiéia), Raimundo Carrero (Minha alma é irmã de Deus), Rubens Figueiredo (Passageiro do fim do dia), Bartolomeu Campos de Queirós (Vermelho amargo), Daniel Galera (Barba ensopada de sangue), Ana Luísa Escorel (Anel de vidro) e Estevão Azevedo (Tempo de espalhar pedras).

Promovido pelo Governo do Estado de São Paulo, o Prêmio é o maior do país em valor. São R$ 400 mil no total, sendo R$ 200 mil para o vencedor do Livro do Ano e 100 mil para cada autor estreante. A ênfase no romance é uma característica do Prêmio São Paulo de Literatura desde sua criação, em 2008, inspirado no britânico Man Booker Prize. As ações da premiação são executadas pela Organização Social SP Leituras.

Comentar

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *